top of page
  • Foto do escritorHugo Lage

Cobertura das Olimpíadas de Paris nas redes mobiliza gestores do esporte e influenciadores

Atualizado: 23 de mai.

Entenda o projeto do Comitê Olímpico Brasileiro, responsável por acompanhar produtores de conteúdo aos Jogos Olímpicos de 2024


Capital francesa já está preparada para receber turistas e participantes dos Jogos Olímpicos de 2024 - Foto: Agência Reuters/Benoit Tessier

Restando menos de 100 dias para Paris 2024, o público está em contagem regressiva e se prepara para acompanhar os jogos em variadas plataformas. O Comitê Olímpico Brasileiro (COB), unido com a agência de marketing Play9 e o Youtube, levarão o projeto “Paris é Brasa” para a capital francesa. A iniciativa contará com 60 colaboradores para cobrir diariamente o evento, além de outros 40 que estarão no Brasil, de acordo com a assessoria da Play9. 


Entre os produtores de conteúdo do projeto, estão: Igão e Mítico (Podpah), Matheus Costa (humorista), Daniel Braune (jornalista), Valentina Bandeira (humorista). O “Paris é Brasa” pretende alcançar 1 bilhão de visualizações em seus conteúdos, segundo o diretor de marketing do COB Gustavo Herbetta, em entrevista ao jornalista Renato Pezzoti do UOL.  Além da transmissão ao vivo de eventos esportivos, o projeto também objetiva a criação de conteúdo para outras redes sociais como o Instagram, o TikTok e o X (antigo Twitter). 


A presença de influenciadores vai ser marcante em Paris 2024. Muitos deles vão com parcerias de marcas, projetos oficiais do COB ou com investimento próprio. Há também a transmissão especializada da Cazé TV, que conta com uma equipe misturada de ex-atletas, jornalistas, influenciadores e produtores de conteúdo. A meta principal dessa nova forma de cobertura é trazer interesse do público geral para acompanhar as mais diversas modalidades. 


O projeto “Paris é Brasa” tem como objetivo a retenção do público. Na mesma entrevista ao UOL, em janeiro de 2024, o presidente do COB, Gustavo Herbetta, afirmou que a presença massiva de influenciadores produzindo conteúdo multiplataforma pode dar acesso exclusivo dos bastidores e também dos atletas aos espectadores. É uma forma de engajar e aumentar a audiência para além das Olimpíadas em si.  


Nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, adiados por conta da pandemia do Covid-19, o Brasil conquistou 21 medalhas no total, sendo a melhor participação na história: sete ouros, seis pratas e oito bronzes. Foi também a edição que alguns nomes brasileiros brilharam, como Rayssa Leal (skate), Rebeca Andrade (ginástica artística) e Isaquias Queiroz (canoagem). Por ter sido um momento de muita glória para os esportes olímpicos nacionais, atraiu bastante o interesse do público. Nessa ocasião, o próprio COB, de acordo com seu atual presidente, enxergou a possibilidade dos atletas também serem influenciadores. 


Recepção do público às mudanças na cobertura


Gustavo Braz, auxiliar administrativo em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de São Paulo, comentou sobre essa nova forma de acompanhar um grande evento esportivo. O paulistano afirmou achar interessante, já que é uma forma de conversar com a nova geração e atrair novas audiências. Quando perguntado sobre o projeto “Paris é Brasa”, ele não o conhecia, mas disse que irá ver por ser interessante.


Outra pessoa que também vê com bons olhos essa presença de influenciadores é a carioca Camila Pereira. Ela comentou que é uma forma de produzir conteúdo que vai de acordo com o que engaja a geração atual. Camila ainda não sabia do projeto, mas garantiu que vai acompanhá-lo.


Sobre a proposta da cobertura de influenciadores, mais dois entrevistados afirmaram não conhecer o “Paris é Brasa”. Vitor Hugo, assistente administrativo, e Higor Ferreira, assistente de comércio exterior, ambos com 28 anos, disseram que pretendem “ficar de olho” nesse formato que vem crescendo. Ambos admitiram gostar muito das Olimpíadas e concordaram que essa nova modalidade de cobertura gera engajamento com o público jovem, além de criar interesse por esportes durante outras épocas do ano. 


Influenciador ainda sonha com vaga em Paris


Nem todos terão a chance de participar presencialmente da cobertura olímpica. Um desses casos é o do influenciador digital João Pedro Sampaio, também conhecido nas redes sociais como JP Sampaio. Apaixonado pelas Olimpíadas desde 2004, João não tem garantias de estar em Paris. Com mais de 800 mil seguidores em suas redes sociais (Instagram, TikTok e X), o criador de conteúdo se manterá ativo, mesmo que à distância. 


João Pedro Sampaio durante os Jogos Pan-Americanos de Santiago, em 2023 - Foto: João Pedro Sampaio

Em 16 de abril deste ano, a tocha olímpica foi acesa na Grécia, em Olímpia. Para marcar o dia, JP Sampaio produziu um vídeo sobre essa tradição milenar dos Jogos Olímpicos. Focado em sua carreira de produtor de conteúdo, esse não foi um plano elaborado no início. Em 2021, começou como uma brincadeira, na qual falaria apenas sobre o Flamengo, seu time do coração. Em seguida, seu público foi crescendo e ele decidiu expandir seu conteúdo não só para o futebol, mas para esportes em geral. 


João mantém seus perfis ativos e com vídeos constantes sobre diversas modalidades que estarão presentes em Paris 2024. Entre elas, as que mais chamam atenção são o atletismo, skate, natação e vôlei. 


Comments


bottom of page