top of page
  • Foto do escritorMiguel de Paula

Como usar energia solar para reduzir a conta de luz da sua casa

Atualizado: 6 de jun.

Mercado de placas fotovoltaicas residenciais cresce e se torna opção para muitas famílias

Placa solar instalada no telhado de uma residência
Apenas em 2023, os painéis solares registraram queda de cerca de 40% no preço médio final. Créditos: Shutterstock/Divulgação.

A capacidade de geração de energia solar cresceu cerca de 44% no Brasil em 2023 em comparação com 2022, segundo dados divulgados em setembro do ano passado pelo Ministério de Minas e Energia (MME). O Brasil é hoje o sexto maior produtor de energia solar do mundo e, atualmente, ela é a segunda mais utilizada no país, correspondendo a 17,4% da matriz energética nacional. Além disso, duas milhões de residências no território nacional usam energia solar. Mas será que, na sua casa, compensa utilizar este tipo de fonte de energia? Saiba os principais benefícios do uso de uma placa fotovoltaica.


O CEO da empresa “Portal Solar” - uma das provedoras deste tipo de energia - , Rodolfo Meyer, esteve em contato com o Rampas e disse que é possível reduzir a conta de luz com a instalação de uma placa fotovoltaica, pelo fato de a energia solar ser uma fonte renovável e que poupa as pessoas de gastarem dinheiro.


“Os consumidores que adotaram a energia fotovoltaica têm o benefício de aliviar os gastos com a conta de luz, seja numa residência ou numa empresa. Esse crescimento também é puxado pelo aumento do consumo de energia elétrica causado pela onda de calor dos últimos meses, pela elevação da tarifa de energia elétrica no Brasil e pela busca por mais autonomia e conforto térmico”, afirmou Rodolfo, por meio de sua assessoria de imprensa.


Segundo ele, a tecnologia tem avançado no Brasil enquanto o preço tem caído. “O crescimento exponencial da energia solar nos telhados de residências, empresas e propriedades rurais é sinal claro da popularização da tecnologia no território nacional. Apenas em 2023, os painéis solares registraram queda de cerca de 40% no preço médio final, ampliando a atratividade e o acesso por consumidores brasileiros de diferentes perfis”, explicou.


Carolina Napoleão, graduanda em Comunicação Social pela Uerj, argumentou que sua casa utiliza energia solar e comentou sobre os prós e contras do uso.


“Usamos energia solar desde maio de 2023 e a diferença é grande desde que começamos a usar. Antes, as contas aqui de casa vinham muito altas e a gente nem podia ligar o ar condicionado direito, e o uso do painel solar nos trouxe um gasto menor com a conta de luz. Mas, mesmo que o custo seja maior para a instalação, o investimento vale a pena com o tempo e trouxe este benefício de guardar um ‘dinheirinho’ no final do mês.”, relatou Carolina.


Eduardo Brum, também graduando em Comunicação pela Uerj, afirma que a energia solar foi a chave para a família usar os eletrodomésticos em casa sem se preocupar com a conta de luz.“O que fez a gente mudar foi a questão da economia a longo prazo, isso porque por mais que a gente pagasse um valor alto nas prestações da energia, mais pra frente a gente ia pagar taxas mínimas de luz e também poder usufruir melhor de tudo que necessita luz na minha casa.”, afirmou Eduardo. 



“O número de usinas solares instaladas em território brasileiro chega a mais de 18 mil e é capaz de produzir uma potência de 10,3 GW”. Créditos: Ministério de Minas e Energia /Divulgação.

Energia solar e sustentabilidade


De acordo com a Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira (Intelbras), a energia solar pode contribuir para um planeta mais sustentável. As placas fotovoltaicas produzem eletricidade a partir da captação dos raios solares, que são recursos renováveis, isto é, não se esgotam. Além disso, é um tipo de produção sustentável porque as placas não emitem gases do efeito estufa, ao contrário dos combustíveis fósseis, como o carvão mineral e o petróleo. 


Para Meyer, a energia solar pode ser o caminho para contribuir na preservação do meio ambiente: “A energia solar também fortalece a sustentabilidade e eleva a competitividade dos setores produtivos brasileiros, bem como reduz o uso da infraestrutura de transmissão, aliviando pressões sobre sua operação e diminuindo perdas em longas distâncias, o que contribui para a confiabilidade e a segurança em momentos críticos.”, declarou o representante.Os dados apresentados comprovam os benefícios da matriz solar e o país pode ampliar sua capacidade. O Brasil ainda não atingiu o seu ápice de geração de energia solar: há cerca de 92,4 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica de baixa tensão, como indústrias e comércio, mas apenas 3,5 milhões utilizam energia solar. 


Placas solares captando luz no telhado de um prédio
No ano de 2023, entre janeiro e setembro, houve um incremento de 3 GW, um número superior ao de 2022 em que o aumento foi de 2,5 GW. Créditos: Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil

O potencial energético brasileiro


O Brasil tem grande potencial de geração de energia elétrica a partir da matriz solar. Dados divulgados pela Intelbras revelam que o país pode abastecer mais de quatro milhões de residências e, em 2021, foi alcançada a marca histórica de 12 GW (gigawatts) de energia produzida tanto por usinas de grande porte quanto por geradores instalados em residências ou empresas.

Gráfico mostra evolução do pontencial solar instalado
Gráfico que denota o aumento em larga escala do potencial solar e a produção de energia. Foto: Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA)/Divulgação.

O aumento do uso de painéis solares é ainda mais expressivo. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), o Brasil encerrou o ano de 2023 com 37,4 GW de capacidade operacional e com isso alcançou a sexta colocação no ranking mundial em capacidade acumulada. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o país aumentou sua capacidade de produção de energia solar centralizada (realizada por grandes parques solares) em 3 GW entre janeiro e setembro de 2023, o maior acréscimo da história.


Para mais informações sobre fontes de energia renováveis, consulte o site oficial do Governo Federal na aba do Ministério de Minas e Energia.

Commentaires


bottom of page