top of page
  • Foto do escritorEmilly Veiga

Os robôs solidários do UERJBotz

Atualizado: 6 de jun.

Equipe de robótica aposta em tecnologia, inovação e ações sociais


Equipe da UERJBotz na Competição Internacional de Robótica RSM Challenge em Mogi das Cruzes - SP (Foto/Instagram UERJBotz)

Nos corredores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), uma equipe de estudantes de engenharia apaixonados por robótica está redefinindo os limites da inovação. Eles criaram o UERJBotz, um projeto de extensão voltado para a construção de robôs. O projeto é acessível a todos os estudantes, mesmo os que não fazem parte do curso. Atualmente a equipe se organiza para construir robôs de batalha fortes o suficiente para participar de campeonatos estaduais e nacionais.


A equipe surgiu em 2013. Em 2019, um marco importante: o UerjBotz se tornou oficialmente um projeto de extensão da universidade, o que auxiliou no ganho de recursos e na permanência dos estudantes na equipe. Essa nova fase permitiu a criação de cinco projetos de robôs, além de iniciativas sociais variadas. Os estudantes passaram a oferecer cursos de robótica dentro e fora da Uerj, além de dar palestras em escolas e se envolver com ações solidárias para doação de sangue.



Alunos apresentando seus robôs para o resto da escola, juntamente com os membros da equipe que participam do projeto (Foto: UERJBotz)

Um dos projetos de robótica educacional é o Meu Primeiro Robô (MPR), que visita escolas públicas e oferece atividades divertidas para estimular crianças e adolescentes a se envolverem com a área. O MPR teve início em agosto de 2018, com apenas duas turmas na Escola Municipal Francisco Manuel, em Vila Isabel. “É um dos nossos projetos mais contínuos, mesmo na pandemia nós mantivemos ativo no formato de vídeo”, afirma Luis Felipe Monteiro, vice-capitão da equipe de robótica.


Segundo a equipe da UERJBotz, é muito importante trazer o fazer tecnológico para escolas públicas e despertar o interesse desses alunos pela área, pois eles acreditam que é dessa forma que podem contribuir positivamente para o desenvolvimento da robótica no Rio de Janeiro.


A maioria dos robôs montados pela equipe são robôs de sumô, também conhecidos como sumobots ou simplesmente sumôs. Essas máquinas são projetadas e construídas com habilidades específicas para vencerem duelos. Nas competições, os sumobots se desafiam em uma arena circular, com o objetivo de empurrar um ao outro para fora do ringue, similar ao tradicional dohyō japonês.


Com mais dez robôs produzidos e reformulados, a UERJBotz se destacou em algumas competições. Entre elas, a Winter Challenge, maior competição latino-americana de robótica, realizada em São Paulo em 2018. O grupo também participa do Iron Cup, em Minas Gerais, e da Copa Rio de Robótica.


Segundo Luis Felipe Monteiro, vice-capitão da equipe e diretor da área de eletrônica, a equipe busca cada vez mais melhorar e desenvolver tecnologia para a área de robótica com novos projetos. Eles querem estar entre os melhores desse meio, e alguns até mesmo almejam trabalhar com robótica efetivamente. “E assim levamos o nome da UERJ como referência para essa área, consequentemente, fazendo com que futuros alunos procurem nossa universidade para graduação e pós-graduação”, disse.


Alguns dos troféus mais notáveis, que viraram motivo de orgulho para toda a equipe, são o 1º lugar na categoria Mini Sumô e o 2º em Beetleweight, conquistados na Rio Innovation Week de 2022. Na 1ª Copa Rio de Robótica no Clube de Engenharia, o projeto venceu a mesma categoria, além de conquistar o 2° lugar na categoria Mini-Sumô Autônomo no Torneio de Robótica do Rio de Janeiro.


“A última que participamos foi a RSM Challenge em Mogi das Cruzes - SP. Foi bem interessante, é sempre bom participar das competições, nelas que conseguimos feedback de como estão os projetos e o que precisamos melhorar. Em geral nossa participação foi boa, mas tivemos problemas com alguns robôs que acabaram não competindo”, explica Luis Felipe.


Robôs feitos pela equipe UERJBotz (Foto/UERJBotz)

O vice-capitão da equipe ainda afirma que a Competição Internacional de Robótica (RSM Challenge) contou com a participação de uma equipe mexicana que tem os melhores mini sumôs do mundo. “Foi legal, porque em uma das partidas conseguimos ganhar deles no Mini Sumô Autônomo. Isso indica que nosso projeto está indo no caminho certo”. A equipe ficou em 9º lugar na categoria Mini Sumô.


Para a realização dos projetos, a equipe sempre se organiza para arrecadar financiamentos. De acordo com o vice-capitão da equipe, é necessário bastante investimento para conseguir gerir as produções e manter o projeto ativo. “Em geral, buscamos editais de fomento e organizamos alguns cursos e rifas. Além disso, temos algumas parcerias que nos ajudam na fabricação dos projetos”.


Um dos métodos de financiamento adotados pela a equipe foi a realização de cursos como Excel, AutoCad, Visual Basic, Eberick etc. Todos os interessados podem participar dos cursos, até mesmo os de fora da comunidade uerjiana.


A organização da UERJBotz é dividida em quatro diretorias de gestão: Financeiro, Marketing, Patrocínio e Eventos. Além disso, conta com uma diretoria técnica de Projetos, composta pelas sub equipes de Mecânica, Programação e Eletrônica. O projeto é aberto a qualquer estudante da Uerj.


A sede da UERJBotz fica na Rua São Francisco Xavier, 524, 5º Andar/Bloco E. A equipe da UERJBotz pode ser contatada pelo e-mail uerjbotz@gmail.com.

コメント


bottom of page